Geraldo Alckmin elogia Doria e é ‘aclamado’ presidente

Em agenda ao lado de Doria, um dos quatro pré-candidatos tucanos, e do vice-prefeito da capital, Bruno Covas, Alckmin foi estimulado a disputar a Presidência da República e elogiado pela trajetória política

Image: Esporte FERA

 

Depois de um processo conturbado em que permaneceu neutro publicamente, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, elogiou o prefeito João Doria no dia das prévias que definirão o candidato do PSDB à sua sucessão. Em agenda ao lado de Doria, um dos quatro pré-candidatos tucanos, e do vice-prefeito da capital, Bruno Covas, Alckmin foi estimulado a disputar a Presidência da República e elogiado pela trajetória política.

“Quero agradecer o João Doria, nosso prefeito da capital, o João trabalhador”, disse Alckmin neste domingo (18), na entrega de um conjunto habitacional em Jaraguá.

“Ele acorda cedo e dorme tarde.”Favorito, Doria elogiou entusiasticamente Alckmin, que, como ele, deve deixar o governo em 7 de abril para disputar a eleição. “Aqui de São Paulo sairá o maior exemplo de força e determinação para que Geraldo Alckmin possa cumprir essa trajetória no plano federal, com o mesmo brilho, competência e honestidade que cumpriu aqui no estado de São Paulo”, discursou Doria.”Juntos, quero deixar claro mais uma vez, juntos, na cidade de São Paulo, no estado de São Paulo, nós todos, não apenas tucanos, os brasileiros de São Paulo, os 43 milhões de brasileiros de São Paulo vão votar Geraldo Alckmin para Presidência da República.”

A jornalistas, o governador paulista não declarou apoio a nenhum dos candidatos. “Temos quatro ótimos nomes, preparados. Vamos aguardar as prévias, mas quem for escolhido toda a legitimidade para poder participar do processo eleitoral e fazer um bom trabalho”, disse.Além do prefeito paulistano, disputam a candidatura o secretário estadual Floriano pesaro, o suplente de senador José Aníbal e o cientista político Luiz Felipe d’Avila.Alckmin minimizou o impacto do palanque duplo em São Paulo, com as candidaturas do PSDB e a do seu vice-governador, Márcio França (PSB), em sua campanha nacional.

“No Brasil inteiro, em todas as eleições [para o] Executivo, vamos ter uma fragmentação partidária. Isso é fruto do modelo político que nós ainda temos”, afirmou.Questionado se sentia responsável pela eventual renúncia de Doria após 15 meses de mandato, o governador, padrinho político do prefeito paulistano, apenas elogiou o vice, que assumirá o posto.

“Bruno Covas se preparou, acompanhou esse trabalho todo durante esse mais de ano, já tinha experiência anterior, é uma pessoa séria, correta, tem tudo para fazer um bom trabalho”, afirmou.Aliado dos mais próximos de Alckmin, o deputado federal Silvio Torres (PSDB-SP), também presente, fez aceno a Doria e Covas.

Dirigindo-se ao governador, Torres disse que ele “vai contar em São Paulo, não tenho nenhuma dúvida, não apenas com o apoio do João Doria, que será imprescindível, mas principalmente aqui na capital com o apoio do futuro prefeito que é o Bruno Covas que vai ajudar”.

O deputado não poupou elogios a Alckmin. “Eu não tenho nenhuma dúvida que o senhor será o homem que fará a diferença no Brasil a partir do ano que vem. O homem que vai conduzir o Brasil de volta a um tempo de esperança, de realizações e principalmente de sensibilidade com o povo que mais precisa”, discursou. Com informações da Folhapress.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


four × one =